Press Trip no RN com a embaixadora do Turismo Cristina Lira

dezembro 19, 2020

Novembro foi recheado de muito conhecimento através do Press Trip no Rio Grande do Norte para quatro jornalistas paraibanos. Press Trips são viagens organizadas com o intuito de promover determinados destinos turísticos e também alguns serviços. Foi aí que a Embaixadora do Turismo do RN, a jornalista Cristina Lira, resolveu organizar essa viagem justamente com profissionais do estado que mais emite turistas atualmente para o RN que é a Paraíba.
Além de todo o conhecimento de nichos turísticos muito atraentes, foi possível para os viajantes paraibanos participarem do 2º Encontro dos Profissionais do Turismo da Pipa, evento ocorrido nas dependências do Hotel Sun Bay. Em formato coffee break e transmitido para o mundo através do canal no youtube ‘Encontro dos profissionais de Turismo’, a promoção e organização foi da Cristina Lira com produção da DataShow Brasil.
O palco do evento foi o agradável salão ao lado de uma das piscinas do Hotel San Bay e o público foi formado pelos jornalistas da Press Trip paraibana (Thomas Bruno, Fabiano Vidal, Ricardo Castro e Rogério Almeida) e também contou com a Secretária de Turismo de Tibau do Sul e Pipa, Beth Bauchwitz; o presidente da Ashtep, Wanderson Borges; Tatiana do movimento Preserve Pipa; o gerente regional da Emprotur, KayoFeitoza; o diretor do hotel Sun Bay, Clidenor Souza e a Maria, empresária do Restaurante Casa de Maria na Barra do Cunhaú.
O bate papo teve a participação da Vanessa Santana, Diretora da Brave Adventure e o Djalma Barreto Neto, Diretor do Receptivo Trieb Club Experiences Pipa RN com mediação de Cristina Lira. A temática foi: ‘Turismo de Aventura e seu potencial na região’, ótima oportunidade não só de conhecer as potencialidades do turismo de aventura como as novidades para 2021. Com o apoio do Hotel Sun Bay, Movimento Preserve Pipa, a Empresa Potiguar de Promoção Turísticae a DataShow, o Encontro durou cerca de sessenta minutos.

Rio Grande do Norte é o destino escolhido dos paraibanos

O destino Rio Grande do Norte tem sido o alvo preferido dos paraibanos neste processo de reabertura durante a pandemia do covid-19. A afirmação vem das direções de dois destacados empreendimentos hoteleiros do estado, o SERHS Natal Grand Hotel & Resort (em Natal) e o Sun Bay no complexo praia de Pipa, em Tibau do Sul.
A qualidade nos serviços, as atrações turísticas e o rigoroso atendimento ao protocolo sanitário têm justificado a escolha. Segundo William Lass, Diretor geral do SERHS “Estamos seguindo rigorosamente os protocolos sanitários. Além de álcool em todos os ambientes e o uso da máscara, investimos na aquisição de uma máquina pulverizadora que, de maneira impressionante, faz a limpeza completa dos apartamentos. Quem vem para cá sabe que vai estar em um lugar totalmente seguro”. A ocupação do SERHS a partir do dia primeiro de setembro, contou com ocupação de 40% no primeiro mês, 48% em outubro e 55% em novembro. Para a sua tradicional festa de réveillon, o SERHS está com reserva confirmada de 70% e a expectativa é bem maior. “Além de toda a estrutura, temos um espetáculo pirotécnico de encher os olhos. Os paraibanos são maioria!”, afirmou o William.
Outro destino bem procurado por paraibanos durante todo ano é o complexo de praias centralizadas em Pipa, município de Tibau do Sul, pertinho da divisa com a Paraíba. Ali temos o maior hotel da região, o Sun Bay, localizado em uma aprazível reserva ambiental na Avenida Baía dos Golfinhos bem próximo ao badalado centro de Pipa, aonde se pode chegar a pé após breve caminhada. Seu Diretor Geral Clidenor Souza afirmou que os paraibanos tem sido pouco mais de 50% dos hóspedes em geral “eles adoram o hotel, adoram o Rio Grande do Norte!”, afirmou.
Como a pandemia do covid-19 impossibilitou a chegada de turistas via aéreo (previsão de volta a partir do mês de março de 2021), o retorno da atividade turística tem contado justamente com o turismo regional, aquele em que as pessoas podem chegar em seus próprios automóveis. Durante o Press Trip organizado pela Embaixadora do Turismo do RN, a jornalista Cristina Lira, com quatro jornalistas paraibanos (entre os dias 16 e 20 de novembro), tivemos uma bela impressão dos devidos cuidados e da segurança sanitária desses grandes hotéis e, além do mais, estruturas voltadas para a acomodação de famílias inteiras, com inúmeras opções de lazer para todas as idades. Nos sentimos verdadeiramente em casa!

Serviço:

Hotel Sun Bay
Avenida Baía dos Golfinhos, 125
Praia de Pipa – Tibau do Sul-RN, Brasil.
sunbay.com.br
Fones: +55 (84) 3246-2373
+55 (84) 98121-7658 (WhatsApp)
Instagram: @hotelsunbay

SERHS Natal Grand Hotel & Resort
Av. Senador Dinarte Medeiros Mariz, 6045
Natal-RN.
serhsnatal.com
Fone: +55 (84) 4005-2000
Instagram: @serhsnatal
E-mail: info@serhsnatal.com
Facebook: /serhsnatal

Uma delícia de passeio

A embaixadora do turismo do Rio Grande do Norte, a Cristira Lira, me convidou para um passeio em uma catamarã, embarcação desportiva com dois cascos paralelos, dispostos lado a lado. Seu nome é ‘Sambaqui Catamarã’, fiquei curioso a partir do nome: por que sambaqui? Sambaqui é um concheiro, um amontoado de conchas resultantes do uso de ostras por povos antigos e encontramos em vários pontos do litoral brasileiro. É comum nesses sambaquis se encontrar muitos vestígios dos nossos antigos ancestrais e o topônimo é bem presente, pelo menos aqui na Paraiba, é pensarmos em Tambá (Sambá), Tambaú, Tambiá, Tambaba, todos esses termos fazem referência a esses antigos concheiros. Mas o que esse termo tem a ver com esse passeio de catamarã? Esperei para ver.
Saímos de Pipa, onde estávamos muito bem hospedados no Sun Bay, aos cuidados do grande Clidenor Souza, e nos dirigimos a Simbaúma, era o trecho mais próximo para chegarmos ao nosso destino que era a Barra do Cunhaú. Quando descobri que ia a essa barra, que na geografia é o termo usado para o encontro de águas, no caso o Rio Curimataú com o Oceano Atlântico, fiquei maravilhado. É que a Barra do Cunhaú é justamente onde desemboca o Rio Curimataú, curso d’água quase todo paraibano, nasce na zona rural da graciosa cidade de Barra de Santa Rosa e serpenteia todo o Curimataú, atravessando a divisa estadual e seguindo seu curso até beijar o Atlântico na Barra do Cunhaú, que eu não conhecia. Lá em Damião-PB a garganta do rio é profunda e enigmática, pensava eu que a foz desse rio deveria ser majestosa, e realmente é. Além do Curimataú, a Barra ainda recebe os Rios Cunhaú e Garatuba.


Em Simbaúma, atravessamos o Rio Catú em uma balsazinha miúda, deu medo, no entanto, aquilo era raso e não havia risco nenhum. Depois de passar, andamos em uma areia branca e tranquila até chegar ao lado esquerdo da Barra do Cunhaú. Ali estava aportado o ‘Sambaqui Catamarã’, um monumento branco, imponente, elegante. E vamos a ele! Sem precisar entrar na água, temos acesso a escada e de repente, lá em cima, a sensação é que não estamos apenas boiando na água, mais parece que estamos em terra de tão firme e estável que é a embarcação. Com mesinhas e assentos de frente um para o outro, formam-se pequenas cabines, dando plena intimidade… e começamos o velejar e quem é que nos recebe com sorriso largo e terno? Seu Juarez Rabelo e Dona Carmem, além de sua filha Jihrane Rabelo, pessoas fantásticas, com uma simpatia peculiar, iniciam a explicação sobre detalhes e minúcias da catamarã e do lugar. É um banho de história e de informações sobre a Barra do Cunhaú, o rio Curimataú e, inclusive, a escolha do nome sambaqui. Rabelo nos mostra uma concha antiga de ostra que é do tamanho de um braço, coisa impressionante. Deslizamos ou, na verdade, flutuávamos naquelas águas e recebíamos uma grande aula de história e geografia, momento em que admirávamos a natureza. Aquele mangue bem preservado, com árvores de médio e grande porte, enchia nossos olhos de beleza e alegria.
Antes de chegar no Meral, vimos as garças azuis riscando o céu. Para os amantes da natureza é uma experiência emocionante. Não muito longe dali lembrei que está a cidade paraibana de Araruna, que vem de Arara Una, ou seja arara preta (que é a arara azul escuro), ave endêmica da região. Já no Meral, avistávamos a beleza do mangue e Rabelo nos contava de uma das histórias de Canguaretama, os santos mártires. Trinta católicos mortos pelos holandeses em 1645 no tempo das chamadas invasões holandesas, que foi ali naquele município. Vizinho é Baía Formosa-RN e logo após é a divisa estadual, do outro lado está Mataraca-PB. Não longe dali, com acesso pelo rio, o casal Rabelo tem uma fazenda e pretende construir um restaurante para a experiência ficar ainda mais incrível.


Andamos um pouco, um pouco mesmo. Até que se descortina a barra, aquele cenário sensacional, uma maravilha da natureza… o serviço de bordo contava com diversos sucos, drinks e petiscos. Espetinhos e uma deliciosa caldeirada de frutos do mar além de uma música suave, um repertório para abrilhantar ainda mais o momento. A certa altura, encostamos em uma prainha que se abriu na mata e o Marquinhos (um dos funcionários da Sambaqui, filho e neto de pescadores) nos faz uma demonstração de como se caçava caranguejo na região à maneira totalmente artesanal. Experiência divertida estar em meio ao manguezal, escorregando na lama e vendo a dificuldade que um trabalhador tem para garantir o caranguejo que comemos nos restaurantes.
No retorno, com a mesma leveza da ida, chegamos à boca da barra e onde podíamos observar as edificações do pequeno e gracioso vilarejo. Ali foi possível tomar um banho recebendo toda a energia do lugar. É um passeio incrível e o Barreto nos conta que pode receber turmas exclusivas para passeio durante o pôr do sol e também eventos como aniversários, réveillon, etc. Todo o protocolo sanitário está sendo respeitado e a capacidade reduzida de 130 para 50 lugares, perfeito para grupos. Veja algumas fotos no https://www.instagram.com/sambaqui.catamara/ . Agora é só reservar no link https://whats.link/sambaqui e deliciar em um dos mais gostosos passeios aquáticos de todo o Nordeste.

Thomas Bruno Oliveira

Historiador e Jornalista – 3372-PB

Nenhum Comentário

Os comentários estão fechados.