SANTA CRUZ IMPORTANTE DESTINO TURÍSTICO RELIGIOSO DO RIO GRANDE DO NORTE

julho 18, 2020
Santuário de Santa Rita de Cássia

Santa Cruz, importante município potiguar, de repente se tornou num importante destino turístico do Rio Grande do Norte, com a edificação, pelo então prefeito Antonio Farias (hoje deputado estadual), conhecido nas lides políticas e sociais como Tomba, quando resolveu edificar a estátua de Santa Rita de Cássia, um dos maiores monumentos do turismo brasileiro e alhures.

Visão panorâmica de Santa Cruz

A cidade que fica encravada na região do Trairi, cresceu bastante com o nascer do turismo religioso. A estátua de santa Rita de Cássia é um verdadeiro cartão postal e orgulho dos norte-rio-grandenses. Breve, Santa Cruz será contemplada com o teleférico.
Este estudo sobre os trajetos históricos da devoção a Santa Rita de Cássia, na forma como ela é vivenciada em Santa Cruz (RN), considera dois aspectos principais: o primeiro refere-se à manifestação religiosa que confere sentido e sacralidade ao espaço do Santuário, tendo em vista o fato de a devoção a Santa Rita estar presente desde os primórdios da cidade; o segundo diz respeito ao impacto direto causado pelo Santuário em vários pontos positivos de atração para os turistas. Esse fator mui importante e de alto significativo voltado para a indústria do turismo religioso fortaleceu sobremaneira a economia de Santa Cruz e adjacências, entre outros pontos positivos.
A construção da estátua de Santa Rita de Cássia foi uma iniciativa importante e incontestável do então prefeito Tomba, hoje deputado estadual, que colocou Santa Cruz na rota do turismo religioso por esse mundo a fora, e na conjuntura atual, Santa Cruz é o principal destino turístico religioso do Rio Grande do Norte e alhures.
Nascida em 1381, na República de Cássia (foto), onde faleceu em 1457, Santa Rita chamava-se Margherita, e teve sua vida pontuada por aspectos bastante positivos, quando despertou a sua altaneira avocação religiosa de Rita.

RESUMO HISTÓRICO DE SANTA CRUZ

Após a inauguração da estátua de Santa Rita, Santa Cruz ganhou aspecto de modernidade

Distrito criado com a denominação de Santa Cruz da Ribeira do Trairi, pela lei provincial, nº 24 de 27-03-1835. Elevado à categoria de vila com a denominação de Santa Cruz da Ribeira do Trairi, pela lei provincial nº 777, de 11-12-1876, desmembrado do município de São José de Mipibú.
Pertenciam à grande nação tapuia os índios que dominavam quase toda a Ribeira do Trairi, aglomerando-se nas serras do Ronca, Tapuia e Doutor, atual Município de Santa Cruz. Aí foram encontradas ossadas humanas e diversos objetos pertencentes aos silvícolas, cujo desaparecimento data por volta de 1800. Acredita-se que ainda no século XVIII se tenha dado a primeira penetração do elemento civilizado. Entretanto, a colonização só se iniciou em março de 1831, quando Lourenço da Rocha, seu irmão João da Rocha e um companheiro de nome João Rodrigues da Silva, percorrendo os sertões, tocaram naquelas paragens as quais denominaram Malhada do Juazeiro. Pela altura e fronde, sobressaía-se entre os demais, belo juazeiro que se erguia no local onde hoje se situa a Igreja Matriz. A capela, sob a invocação de Santa Rita de Cássia, foi edificada em 1835. Dotada de indispensável patrimônio, incluindo-se paramentos e alfaias, obteve-se provisão para que se celebrassem missas. Tendo vindo de Cachoeira a primeira imagem da Padroeira, o lugarejo passou a ser conhecido como Santa Rita da Cachoeira.

Liszt Madruga

Jornalista e Presidente da ABRAJET – RN

Nenhum Comentário

Os comentários estão fechados.