Cidade Viva

julho 15, 2019

As águas do velho Açude são testemunhas do bailar da história de Campina Grande. Calmas e tranquilas, observam a dinâmica da cidade e guardam em si os segredos do cotidiano da Rainha da Borborema. No início de junho, em mais um mês de São João que desabrocha, um acontecimento histórico ocorreu em suas margens, ali estão instalados os estúdios Abílio José de onde houve a primeira transmissão simultânea em rádio e internet com formato de tevê no estado da Paraíba.
Às nove da manhã veio ao ar o programa ‘Cidade Viva’, exibido na Rádio Cariri 101FM de segunda a sexta-feiraaté as onze e meia da manhã, apresentado pela dupla Abílio José e Jota Sales, dois dos mais experientes comunicadores do nosso rádio. O programa é versátil, aborda várias temáticas com quadros fixos e se destaca também no repertório musical cujo quadro, o “Cotonete”, traz músicas para “limpar” os ouvidos, geralmente o fino da MPB ou flashback. Exibido por muitos anos na Rádio Caturité AM, o programa migrou para frequência modulada junto com a Rádio Cariri em 2017, sendo desde então recorde de audiência.
Na sexta-feira recebi o convite: “Thomas, segunda-feira vamos testar um novo formato do programa Cidade Viva e você é convidado, como é a semana de abertura d’O Maior São João do Mundo, você fala da história da festa”, aceitei o desafio.
Manhã quente e eu parado, olhando fixo para as águas do Açude Velho, bem próximo ao Museu Digital, que fica defronte aos estúdios Abílio José. Meus pensamentos se perdiam na malha escura daquelas águas, tanta coisa me vinha à mente. Junho realmente começara e com ele toda uma carga sentimental e um sem número de compromissos, muitos deles festivos, é bem verdade. E minha abstração é interrompida pelo voo de uma garça e suas finas canelinhas; momento em que testemunho o seu bote em um peixe, ali bem pertinho de mim,desaparecendo em seguida entre as árvores para a apetitosa refeição. Lembrei-me das belas fotos de Soahd Arruda no facebook que cotidianamente fotografa essas aves.
De volta à realidade, dez minutos faltavam para o início do programa e caminhei para o estúdio. Cumprimentei a portaria e a sensação era de estar entrando em um canal de TV, fui acompanhado à porta do estúdio 1 e ao entrar me impressiono com o que vejo: um moderno e aconchegante estúdio e com um auditório. Tem início o programa e o primeiro convidado foi o músico Pepicho Neto, cantando ‘chão de giz’ de maneira bem original; foi bastante aplaudido pela plateia e naquele momento fui transportado para a época de ouro do rádio, tempos em que os auditórios eram concorridos e os músicos cantavam ao vivo.Fãs e artistas ali, lado a lado, numa sinergia bem legal. Observei atento os bastidores, momento em que tudo acontecia. Outros convidados deram o ar da graça, Massilon Gonzaga ressaltou o pioneirismo do programa que era tevê e rádio ao mesmo tempo;Rafafá falou da programação esportiva d’O Maior São João do Mundo e eu, no sofá, durante uns vinte minutos, falei um pouco da história da festa e dos festejos juninos.
Estou certo que o dia 3 de junho entrou para a história, uma nova página da comunicação na Paraíba foi inaugurada através do pioneirismo do visionário Abílio José. Fiquei muito feliz em partilhar desse momento especial e histórico e ainda mais por falar da minha cidade e d’O Maior São João do Mundo. Ê Campina, tu és realmente uma cidade viva!

Thomas Bruno Oliveira

Historiador e Jornalista – 3372-PB

Nenhum Comentário

Os comentários estão fechados.