A Q U E C E R O T U R I S M O

outubro 7, 2018
O desenvolvimento mais intenso e planejado do turismo em nosso país deverá ser uma das medidas imediatas a serem adotadas pelo novo Presidente do Brasil, a partir de janeiro de 2019. Isso é compreensível pelo fato de que o turismo tem a possibilidade de, a curto prazo, incrementar as dezenas de atividades que interagem nessa área, alavancando mais empregos e consequentemente a economia.

Como é sabido, o Brasil tem um potencial turístico bastante diverso e atraente, em todas as suas cinco regiões, tanto para o turismo interno como para o turismo receptivo de estrangeiros. Hoje, o número de turistas estrangeiros que visitam nosso país, se comparado com outros países, é inexpressivo.
Enquanto que aqui recebemos no ano passado menos de 6 milhões de turistas de fora, outros países chegam a nos fazer inveja com o número de milhões de pessoas que vão para lá todos os anos. Para citar apenas alguns, lembro logo a França que, com uma população de menos de cinquenta milhões de habitantes, recebeu em 2018 cerca de 87 milhões de turistas estrangeiros, sendo que só a cidade de Paris recebeu quarenta milhões desse total.
A Espanha não deixa de se destacar também pelos milhões de turistas que recebe de fora e vão lá deixar os seus dólares, movimentando toda a economia da país. Os Estados Unidos da América, o Canadá, o Reino Unido, a Alemanha e até Portugal, de nossos ancestrais, chegam a se destacar expressivamente com o movimento turístico que recebem todos os anos com as pessoas estrangeiras.
E por que, aqui no Brasil, não conseguimos alavancar essa demanda turística? Sabemos que vários são os fatores, mas de um modo simples constatamos que não existem por parte do governo federal e dos governos estaduais (com raras exceções) políticas públicas para esse setor tão importante de nossa economia. Inclusive, para aproveitar muita mão-de –obra não especializada, mas que promove o emprego e a renda.
Ainda tenho a esperança de que algo de novo possa acontecer, qualquer que seja a corrente política que venha a governar no próximo quatriênio, para dar um basta a situação atual de desmoralização de todos os poderes públicos, com a corrupção desenfreada em todos os seus níveis, a falta de seriedade e capacidade na gestão dos órgãos públicos e tantos outros desmantelos que todos os brasileiros conhecem no seu dia a dia. Vamos aguardar. Pois, como diz o dito popular: “ a esperança é a última que morre”.

 

Ivan Y Plá Trevas

Jornalista

Nenhum Comentário

Os comentários estão fechados.