Teatro Municipal Severino Cabral comemora 54 anos

dezembro 11, 2017

O Teatro Municipal Severino Cabral foi inaugurado pelo prefeito Severino Cabral – que lhe deu nome – no dia 30 de novembro de 1963, às 10 horas. Com uma estrutura física inspirada em um apito, idealizado pelo arquiteto Geraldino Pereira Duda, a Casa de Espetáculos conta com 600 lugares, dez camarins, palco de 12 metros por 18m de profundidade.

O local tornou-se ao longo das suas mais de cinco décadas de existência um verdadeiro centro aglutinador da produção artística campinense e paraibana. Localizado no coração da cidade (avenida Floriano Peixoto), o prédio impõe-se pela beleza de suas linhas modernas e pelo marco urbano que representa. Daí a inegável importância histórica, artística e patrimonial desse equipamento cultural, templo maior das artes campinenses e cenário de diversos eventos.
A criação do Teatro Municipal Severino Cabral mostra a larga visão de futuro do então prefeito Severino Cabral, assinalando ima nova fase para as artes cênicas e demais expressões artísticas que seriam apresentadas no local, mostrando a posição vanguardista de Campina Grande diante das demais cidades da região.
Com a inauguração do teatro, a cidade ganhou a mais importante Casa de Espetáculos da região. Nessas cinco décadas de arte e cultura, o TMSC consolidou-se como o epicentro da produção artístico-cultural em Campina Grande, abrigando as mais importantes companhias de dança e alguns dos mais destacados espetáculos do Nordeste, que utilizando o palco do nosso teatro realizaram inesquecíveis apresentações, mostrando que a trajetória da cultura na cidade se confunde com a própria história do Teatro Severino Cabral.
A falta de um espaço que comportasse espetáculos mais intimistas, e atraísse pequenas plateias, fez nascer, no final dos anos 1970, o Mini Teatro Paulo Pontes (hoje denominado Sala Paulo Pontes), uma reivindicação antiga dos artistas campinenses. O espaço possui 80 lugares e ao lado está localizada a Galeria de Artes Irene Medeiros que expõe trabalhos de artistas de renome e de autônomos, muitos destes artistas que não viam oportunidade de mostrar suas artes em outras galerias.
Para atender e instigar o espírito artístico foi criado na década de 90 uma escola de dança para crianças carentes. A escola funciona até hoje com aulas de balé clássico e contemporâneo. Também existe um Curso de Atores e de atividades circenses, e dança para terceira idade.
Na gestão atual, com o diretor Erasmo Rafael, foi criado o Dança Cidadã (para crianças), o Homens na Dança, o Balé Cidade de Campina Grande, o Núcleo de Teatro, a Campanha de Popularização do Teatro e da Dança, o Projeto Quartas Acústicas, e a Associação dos Amigos do Teatro Municipal Severino Cabral. Também foram reabertas a Biblioteca e a Sala Evandro Barros.
Na direção da casa já passaram alguns dos nomes mais atuantes do cenário cultural paraibano, como o produtor e atual vereador João Dantas, a ativista cultural Eneida Agra Maracajá, os jornalistas Hermano José, Wilson Maux e Saulo Queiroz, a cantora Cida Lobo, a arte-educadora Alana Fernandes, o produtor Aluízio Guimarães e atualmente está no comando o produtor cultural e artista Erasmo Rafael.
No dia 29 de novembro, seguindo a programação de aniversário, o espetáculo “Metal” do Balé Cidade de Campina Grande foi exibido com entrada franca. Parabéns ao Teatro Municipal, bastião da cultura de Campina Grande.

 

Thomas Bruno Oliveira

Historiador e Jornalista – 3372-PB

Nenhum Comentário

Os comentários estão fechados.