FATOS

setembro 5, 2017

Perigo na praia do Seixas

Há um mês, uma pequena embarcação de modelo Catamarã, quebrou na praia dos Seixas e com o fenômeno das marés sacolejando os destroços, durante todo esse tempo, ela está se decompondo e as peças boiando, sendo encontrados pedaços há dois quilômetros de distância. O perigo é que, com o movimento das marés, os destroços estão provocando acidentes, onde uma senhora e uma criança foram atingidas sem maiores gravidades. Segundo moradores do local, o Catamarã pertence a uma colônia de pescadores e, que, até o momento ainda não apareceu nenhuma autoridade para autorizar a remoção das peças do local. Vale ressaltar que, a situação é preocupante por causa do perigo de acidentes graves que podem causar aos banhistas. O Local do naufrágio fica em frente ao Maceió do Seixas.

Comprovando a realidade

Na última edição da Revista de Turismo nas páginas 06 e 07 na coluna Fatos tem uma matéria intitulada “Empresários Paraibanos Superam Crise”, nela informamos sobre a qualidade dos restaurantes dos hotéis que estão entre os melhores da cidade. E viajando para Aracaju, estava folheando a Revista de Bordo Azul Magazine, vejam o comentário sobre o Restaurante Roocia que encontrei.

Comentários
Na edição anterior, foi publicada uma matéria que comentava a dificuldade do empresário da hotelaria, para manter o fluxo de turista em seu estabelecimento, pela falta de apoio. Participar de evento que venha facilitar o trabalho de divulgar o destino ao turista e aos operadores, é essencial e todos, inclusive os governos estadual e municipal. Essa nota gerou comentários. Para uns, se houvesse mais empenho o trabalho seria mais positivo e consequentemente mais rentável para todos. Outros lembram que em épocas anteriores, no mês de janeiro, a Paraíba iniciava o trabalho para apresentar nosso potencial, atravessando o oceano atlântico rumo a Portugal e todos participavam da BTL. Esse evento era orquestrado pela então presidente da PBTur, professora, Cléa Cordeiro que contatava a organização das feiras, os hotéis e a companhia aérea, negociava os descontos, formava a equipe e seguiam todos rumo a Europa. Todos que participavam, pagavam.
Estes eventos ligados ao turismo que acontecem na Europa, a BTL em Portugal, a Fitur em Madrid, e vários outros, trazem bons resultados econômico para o destino quando bem trabalhado, mas, hoje quem quiser tomar informações sobre essas feiras, podem recorrer ao Google, aqui não se consegue detalhes nem a programação.
No período da virada do milênio, podemos dizer que foi um período que fincou-se a bandeira do Turismo na Paraíba. Navios turísticos começaram a ancorar no porto de Cabedelo, novos hotéis se instalaram na orla da capital paraibana e grandes e elegantes restaurantes começaram a surgir, e o mercado imobiliário lançou a Paraíba como um paraíso pela sua tranquilidade e segurança.
O apoio aos eventos religiosos, nenhum governo deu prioridade e até hoje, são movidos pela fé. Mais novos eventos surgiram depois como a oficialização da praia de naturismo em Tambaba, a Festa do Bode Rei em Cabaceiras e o Brega Areia, em Areia, e o caminho do Frio. Na Festa das Neves foi dado um novo formato.
O mais importante de tudo, era a segurança que paraibanos e turistas sentiam ao chegar em João Pessoa, passeava-se na orla sem o fantasma dos assaltos, personagens comum hoje em todo Brasil.

 

Fernando Duarte

Jornalista – Membro do Conselho da Abrajet Nacional

Nenhum Comentário

Os comentários estão fechados.