As riquezas da cultura paraibana

julho 11, 2017

Como já sabemos, a fartura no Nordeste durante esse período do ano é abençoada. A chuva irriga o roçado que produz o feijão, hortaliças, a batata doce e outras culturas. Os mais precavidos armazenam em silos para enfrentar entressafra. Quem tira proveito também dessa abundância, são as criações: o porco, a galinha, o pato, o gado. Criação que após a engorda, vão servir para alimentar as famílias. Do campo vem o milho, um dos ingredientes mais usados, que oferece várias opções de pratos de sabores diferentes. É lógico que depende da habilidade da cozinheira. É a pamonha, a canjica, o mungunzá e o próprio milho assado ou cozido. Tem também o cuscuz que faz parte do cardápio diário do brasileiro o ano todo. 
Para acompanhar esses pratos, há várias opções, o queijo assado, o bode cozido ou grelhado, o ovo estrelado, a carne de sol, a

galinha (de preferência a de capoeira), aquela que é criada solta no terreiro. Vir a João Pessoa nessa época do ano é não esquecer a temporada que com certeza vai ficar marcada na memória para sempre.

Estás em João Pessoa? Dê mais uma esticadinha. João Pessoa é uma cidade realmente encantadora. Além das praias, uma arquitetura de alto padrão, um casario com arquitetura de muita influência europeia às margens de lindas avenidas. A cidade, considerada a segunda mais verde do planeta, título justificado pela vasta vegetação distribuída em pontos estratégicos como a reserva da Mata do Buraquinho, da Universidade, do Amém e do Parque Arruda Câmara, com 17 hectares e com uma grande concentração de Palmeira Imperial. O parque, além da pequena floresta, tem um Zoológico com uma variedade de espécie animal de nossa região e de outros centros. A hospedagem da capital paraibana está bem aparelhada com bons hotéis, a maioria localizada à beira mar. Próximo a capital, outros municípios considerados turísticos entram no roteiro pelos seus atrativos. Destaque para Rio Tinto, por exemplo, no seu litoral, Barra de Mamanguape, tem o criatório dirigido pelo IBAMA o Centro Nacional de Conservação de Sirênios – Centro do Peixe Boi

Marinho. A cidade foi fundada pela família Lundgren, que iniciaram suas atividades econômicas, com a Indústria de Tecidos Rio Tinto. A cidade é charmosa e o que chama mais atenção são as edificações que na sua grande maioria foram construídas em tijolo aparente.
Outra região de forte atrativo é o Brejo paraibano. Cidades como Areia, uma das mais antigas do estado, onde o visitante não pode deixar de conhecer o Theatro Minerva, o primeiro construído no estado. O município foi outrora um grande produtor da Cana de Açúcar, com isso, o aproveitamento dessa matéria prima fez os produtores diversificarem, tornando toda região pioneiro na produção da cachaça e rapadura. A festa mais tradicional da cidade é o Bregareia que acontece em dezembro. Este evento é associado ao Festival Brasileiro da Cachaça e da Rapadura.
Outra festa interessante acontece no Município de Cabaceiras: é a Festa do Bode Rei. O município localizado na região do Cariri tem a maior criação do Bode. Já o município de Ingá é conhecido por suas Itacoatiaras, inscrições rupestres feitas em pedras, provavelmente, pelos indígenas. Em todos esses municípios citados, a população não dispensa as comemorações das festas juninas, onde as cidades se enfeitam de bandeirolas e fogueiras. É nesse período que os afinados sanfoneiros se juntam com a turma do pandeiro, zabumba e triangulo, e haja forró.

Nenhum Comentário

Os comentários estão fechados.