FATOS

Maio 9, 2017

Vida de brasileiro 

Esta revista é editada há 27 anos, período de tempo em que acompanhamos sistematicamente o desenrolar
dos passos da política brasileira, por entendermos que o turismo faz parte do contexto político.

Um país com a dimensão continental como o nosso, não pode ter fácil administração, principalmente quando os representantes dessa classe social política, não têm interesse de cumprir com as obrigações. Em missão política, são totalmente destorcida.
Na edição anterior citamos o exemplo do Cabo de Guerra. Hoje voltamos a usar a mesma imagem porque recebemos várias mensagens, enaltecendo o conteúdo da matéria. Em uma família simples, constituída por três pessoas, que seja remunerada com até três salários mínimos, é preciso muito sacrifício para viver. O plano de saúde, serviço obrigatório de governos, não funciona, e o cidadão é que tem de tirar do minguado salário o acesso ao reduzido sistema privado, pois os planos de saúde são absurdamente caros. Aos impostos pagos, se somadas a assistência médica e outras responsabilidades lá se vai o minguado salário.
O empresário do ramo de hotelaria e restaurantes, além de ser um empregador em potencial, é uma grande fonte geradora de tributos, somando em suas despesas o indispensável uso dos serviços da Energisa e da Cagepa.
Como servidor público, um policial ganha pouco mais de 2.000 reais, o mesmo que um professor, enquanto um deputado que ganha quase 27.000, ainda tem de “AUXILIO” aproximadamente 250.000, e plano de saúde que lhe dá direito até a serviço odontológico. Senadores? Custam ao bolso do brasileiro 30 milhões por ano.
O que ninguém observa é que o capital, na mão de empresários, gera emprego, tributos e faz o dinheiro circular pelo país. Enquanto isso, uma soma estapafúrdia direcionada a esses profissionais da política (bilhões por ano), ainda serve para que eles surrupiem outros bilhões, ilicitamente, gastam em outros continentes e algumas vezes dados a outros países.
De fachada, estamos em uma democracia. Na realidade, uma ditadura que, agora, quer retirar o nosso direito de excluir os implicados na justiça. Para oficializar a ditadura, tramita no congresso um projeto de lei, através do qual, o cidadão não vai mais escolher seu representante, direcionando o voto para o partido, dando aos chefes das facções a legalidade de apontar quem vai nos representar.

 

 

Senac: Pós-Graduação à Distância

Desde o dia 02 de maio, o Senac abriu inscrições para os cursos de Pós-Graduação à Distância (EAD), uma ótima opção para quem procura novos desafios para crescer profissionalmente, adquirir conhecimento e desenvolver seu potencial. A modalidade de ensino oferece comodidade, por ser mediada por tecnologias que permitem que professor e aluno estejam em ambientes físicos diferentes.
São cursos com foco nas demandas do mercado de trabalho, disponíveis nas áreas de Educação, Gestão, Meio Ambiente, Produção de Alimentos, Saúde, Tecnologia da Informação e Turismo. Cada formação conta com material didático específicos, publicações e recursos multimídia, uma metodologia especialmente planejada para quem precisa conciliar estudos e outras atividades.
Para mais informações, os interessados podem entrar em contato com o setor de Pós-Graduação do Senac Paraíba, através dos números (83) 3214-2340 e (83) 99849-0147.

 

Fernando Duarte

Jornalista – Membro do Conselho da Abrajet Nacional

Nenhum Comentário

Os comentários estão fechados.